NOTA CONJUNTURAL PNAD-COVID19 ANALISA INDICADORES DE SAÚDE E DE TRABALHO DO ES PARA JULHO DE 2020

Os indicadores de saúde estimados para o Espírito Santo,  para o mês de julho de 2020, revelaram queda no percentual de pessoas que apresentaram algum sintoma gripal ou sintomas conjugados associados à Covid-19, passando de 11,7% em maio para 7,1% em julho. 

No estado, 283 mil pessoas (7,0% da população total) realizaram algum teste da Covid-19, desde o início da pandemia, para saber se estava infectado. Destes, 24,5% testaram positivo, 1,7% da população total.

No mercado de trabalho os resultados de julho indicaram queda no total de ocupados (-3,3%) e aumento dos desocupados (+12,2%) e das pessoas fora da força de trabalho (+2,9%). A taxa de desocupação subiu de 10,8% em junho para 12,4% em julho e, se consideradas às pessoas fora da força de trabalho e que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho por conta da pandemia ou por falta de trabalho na localidade esse percentual subiria para 22,1%.

No Espírito Santo, na passagem de junho para julho aumentou de 42,8% para 44,4% o percentual de domicílios que receberam algum tipo de auxílio emergencial de renda por conta da pandemia. Em média, em julho, o auxílio recebido por domicílio respondeu por um incremento de renda domiciliar de R$ 824 no Espírito Santo e R$ 896 no Brasil.

Distanciamento Social

Para o Espírito Santo, foi estimado que em julho, 42,4% da população capixaba tomou medidas de restrição de contato social na semana anterior à entrevista, permanecendo em casa e só saindo por necessidade básica. Outros 23,4% ficaram rigorosamente isolados. Percentual semelhante foi observado para o Brasil. Entre a população capixaba de 60 anos e mais, 33,8% ficou rigorosamente isolada e 1,1% não fez restrição.

Itens de limpeza e proteção

No Espírito Santo, em julho, 99,5% dos domicílios tinham a presença de itens básicos de limpeza como sabão e detergente, 99,2% tinham máscaras e 96,0% tinham álcool 70% ou superior (em gel ou líquido). Percentuais semelhantes foram observados para o Brasil.

Atividades escolares

A pesquisa estimou que no Espírito Santo, cerca de 820 mil pessoas estavam matriculados em escola ou faculdade, 74,3% desta população possuía entre 6 a 16 anos, 25,7% de 17 a 29 anos de idade e 73,6% com renda domiciliar per capita de um salário mínimo ou menos. Com as medidas de distanciamento social, as atividades presenciais da maioria das escolas do estado foram suspensas. Contudo, 81,5% (658 mil estudantes) dos estudantes informaram que a instituição de ensino disponibilizou atividades escolares na semana anterior a entrevista. Para 55,5% deles, a frequência de dias dedicadas à estas atividades foi de 5 dias na semana, e para 19,3% foi de três dias.

Empréstimo financeiro

Dos domicílios capixabas, 5,0% teve algum morador que solicitou empréstimo (68 mil domicílios) durante o período da pandemia. Destes, 20,6% (14 mil domicílios) não obtiveram o empréstimo. Daqueles domicílios que obtiveram o empréstimo, 81,9% teve como fonte banco ou financeira e 17,9% parente ou amigo. Para o Brasil, 5,9% dos domicílios solicitaram empréstimo, destes 18,9% obtiveram, com fontes principais sendo banco ou financeira (75,7%) ou parente ou amigo (23,6%).

Mais informações sobre outros indicadores e comparação com resultados do Brasil podem ser encontrados na Nota Conjuntural da Pnad-Covid19. A Nota será publicada mensalmente enquanto o IBGE divulgar a pesquisa.


A Nota Conjuntural mensal Pnad-Covid-19 reporta os principais resultados para o Espírito Santo da Pesquisa Pnad-Covid19 realizada pelo IBGE com apoio do Ministério da Saúde. A pesquisa tem por objetivo estimar o número de pessoas com sintomas associados à síndrome gripal e monitorar os impactos da pandemia da Covid-19 no mercado de trabalho.