Produção industrial do ES avançou 28,3% na passagem de junho para julho

A indústria nacional cresceu 8,0% na passagem de junho para julho, com ajuste sazonal, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal divulgada pelo IBGE em 09 de setembro de 2020.

Este foi o terceiro mês consecutivo de desempenho positivo da indústria brasileira, que acumulou alta de 28,8% em maio, junho e julho. Contudo, estes avanços não eliminam as perdas de março e abril, quando o setor industrial foi mais impactado pelas medidas de distanciamento social em função da pandemia da Covid-19.

O resultado positivo da indústria em julho pode ser observado em 12 dos 15 locais pesquisados, dos quais 9 ficaram acima da variação nacional (8,0%). Dois estados foram destaque neste mês: Ceará (34,5%) e Espírito Santo (28,3%). 

No Espírito Santo, a produção industrial avançou 28,3% em relação a junho, segundo aumento mensal consecutivo, e acumulou 28,6% no crescimento da produção em junho e julho. A indústria capixaba foi influenciada positivamente pelas altas de 34,6% na indústria extrativa e 17,1% na indústria de transformação, já com os ajustes sazonais.

Todas as atividades da indústria de transformação pesquisadas no estado apresentaram desempenho positivo no mês, com destaques para a produção de alimentos (48,2%) e papel e celulose (22,0%) que recuperaram os níveis de produção para patamares do período pré-pandemia. Além dessas, a fabricação de produtos de minerais não metálicos e a metalurgia cresceram 9,2% e 7,3%, respectivamente.

Sobre a indústria extrativa, uma possível explicação para a alta de 34,6% frente a junho está no segmento dos minerais metálicos, pois o preço dos contratos futuros de minério de ferro apresentou recuperação e a commodity destacou-se nas exportações industriais do Espírito Santo em julho.

Na comparação com julho de 2019, contudo, a produção industrial do estado caiu -13,4%, devido principalmente às quedas na extração de óleos brutos de petróleo e gás natural, na pelotização de minério de ferro e na atividade metalúrgica.

Já no período de janeiro a julho, a indústria capixaba acumulou queda de -19,7% em relação ao mesmo período do ano passado, resultado inferior ao observado para o Brasil (-9,6%) e o pior desempenho entre os locais pesquisados.

    Com o crescimento de 28,3% na produção industrial em julho, o Espírito Santo apresentou o 2º melhor desempenho mensal dos 15 locais pesquisados, sendo o Ceará o estado com o maior avanço na indústria no valor de 34,5%. Apenas 3 estados apresentaram taxas negativas nesta base de comparação: PR (-0,3%), GO (-0,3%) e MT (-4,2%).

O resultado de julho apresenta uma melhora relativa nas atividades industriais capixaba e nacional, sinalizando que, apesar das incertezas que ainda pairam sobre o cenário econômico, o terceiro trimestre permanecendo com essa retomada das atividades produtivas pode ser mais otimista do que o último, quando diversos PIBs mundiais apontaram para a “recessão técnica” de muitos países, inclusive a do Brasil.