Com queda na desocupação, população ocupada no ES cresce no 3º trimestre de 2021

O IBGE divulgou, em 30 de novembro de 2021, os dados da Pnad Contínua referente ao 3º trimestre de 2021.

PUBLICADO EM 23 Dez 2021

Os resultados do 3º trimestre de 2021 mostraram que o mercado de trabalho geral tem se recuperado dos impactos da pandemia de Covid-19 sentidos, principalmente, no segundo semestre de 2020. Em relação a 2020, a ocupação no estado cresceu pelo segundo trimestre consecutivo, acompanhada de uma redução na taxa de desocupação, que segue tendência de queda e atingiu o menor valor desde o 4º trimestre de 2015.

Em relação ao 3º trimestre de 2020, o total da população capixaba ocupada aumentou em 8,3%. Este aumento foi influenciado, principalmente, pela ampliação dos ocupados nas atividades da construção (40,0%); nos serviços de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (20,9%) e no comércio (9,6%). Em conjunto, estas atividades contribuíram com 6,5 pontos percentuais (p.p.) no crescimento de 8,3% do total de ocupados no estado.

Ainda na comparação com o mesmo período do ano anterior, em relação à formalização das ocupações no Espírito Santo, após forte alta das ocupações informais no 2º trimestre de 2021 (16,2%), no 3º trimestre houve uma participação mais equilibrada das ocupações formais e informais no crescimento de 8,3% da ocupação. Apesar da variação das ocupações informais ter sido maior (10,5%) do que a das ocupações formais (6,9%), a contribuição de ambas no crescimento da ocupação foi parecida, de 4,1 p.p. e de 4,2 p.p., respectivamente. Já para o Brasil, o crescimento de 11,4% dos ocupados foi resultado, em maior medida, da participação de 7,6 p.p. das ocupações informais que cresceram 18,9%. 

A ampliação da ocupação com alta na informalidade refletiu no crescimento da parcela de informais sobre a ocupação total capixaba, a qual passou de 38,6%, no 3º trimestre de 2020, para 39,4% no 3º trimestre de 2021. No Espírito Santo, cerca de 763,3 mil pessoas estavam na informalidade no 3º trimestre de 2021. Para o Brasil, a parcela da informalidade subiu de 38,0% para 40,6%, nesta mesma comparação.

O aumento da ocupação refletiu na redução da taxa de desocupação que, no Espírito Santo foi de 10,0% no 3º trimestre de 2021, após recuo de 4,2 p.p. em relação ao mesmo trimestre de 2020. A taxa de desocupação do estado se manteve inferior à média do Brasil (12,6%), a qual também reduziu 2,2 p.p. frente ao 3º trimestre de 2020.

Rendimento

A massa salarial estimada para o Espírito Santo no 3º trimestre de 2021 foi de R$ 4,4 bilhões, o que representa aumento de 5,9% em relação ao 3º trimestre de 2020. Esse aumento, no entanto, foi inferior ao crescimento dos ocupados (8,3%), o que gerou um recuo de 3,8% no rendimento médio. Esses resultados indicam que o aumento da população ocupada foi acompanhada por menores remunerações aos trabalhadores, quadro que tem persistido nos últimos trimestres.

Para mais informações a respeito do desempenho do mercado de trabalho capixaba no 3º trimestre de 2021, acesse aqui a Nota Conjuntural da Pand-C.

 

Sobre o(a) editor(a) e outras publicações de sua autoria

Bruno Novais

Graduando em Ciências Econômicas pela UFES. Auxiliar na Gerência do Observatório da Indústria, atua na execução de pesquisas primárias, criação e manipulação de bases de dados, e no auxílio em estudos econômicos-conjunturais.