Desemprego em queda: taxa de desocupação no ES diminui para 5,5% no 3º trimestre

Taxa de desemprego recuou pela 12ª vez consecutiva conforme os resultados da Pnad-Contínua, divulgados pelo IBGE

PUBLICADO EM 22 Nov 2023

A taxa de desocupação do Espírito Santo chegou a 5,5% no 3º trimestre de 2023, redução de 1,8 ponto percentual (p.p) em relação ao mesmo período de 2022. Essa contração da taxa de desocupação da economia capixaba manteve a trajetória de queda iniciada no 3º trimestre de 2020, totalizando 12 recuos consecutivos e registrando a menor taxa desde o terceiro trimestre de 2014.

Essa mesma tendência pode ser observada para o Brasil.  A taxa de desemprego do país atingiu 7,7% no 3º trimestre de 2023, recuo de 0,3 p.p. ante ao 2º trimestre deste ano e queda de 1,0 p.p. frente ao mesmo trimestre de 2022.

Segundo os dados apresentados pelo IBGE, do segundo para o terceiro trimestre do ano, as taxas de desocupação apresentaram reduções em três das 27 unidades da Federação: São Paulo, que passou de 7,8% para 7,1%, Maranhão, de 8,8% para 6,7% e Acre, de 9,3% para 6,2%. Em contrapartida, Roraima registrou um aumento, passando de 5,1% para 7,6%.

Nas demais 23 unidades as taxas permaneceram estáveis, segundo o IBGE. Ainda que a taxa de desocupação do Espírito Santo tenha caído 0,9 p.p. na passagem do segundo para o terceiro trimestre, ela foi considerada estável pelo IBGE devido aos parâmetros estatísticos aplicados na amostra da pesquisa. O Espírito Santo registrou a 8ª menor taxa desocupação (5,5%), abaixo da média do Sudeste (7,5%) e do Brasil (7,7%).

A taxa de subutilização, que compreende as pessoas desocupadas, subocupadas¹ e na força de trabalho potencial², retrata de forma mais ampla a disponibilidade de mão de obra não absorvida ou parcialmente absorvida pelo mercado de trabalho. A taxa de subutilização do Espírito Santo atingiu 11,2% no 3º trimestre de 2023, redução de 1,2 p.p. em relação ao 2º trimestre de 2023. Essa queda é ainda mais acentuada quando comparada com o 3º trimestre de 2022 (15,5%), registrando um recuo de 4,3 p.p.

População ocupada

No 3º trimestre de 2023, o nível de ocupação, que é a proporção de pessoas ocupadas em relação à população em idade ativa, registrou alta de 0,9 p.p. em relação ao trimestre anterior, ficando em 60,1% no Espírito Santo. Esse nível representou cerca de 2,03 milhões de pessoas ocupadas, contingente 2,25% superior ao 2º trimestre de 2023 (45 mil pessoas a mais) e estabilidade em relação ao terceiro trimestre de 2022.

Em relação ao trimestre anterior, o aumento no número de ocupados foi mais intenso no setor de alojamento e alimentação (+7,4%), seguido pela indústria geral (+5,5), serviços domésticos (+5,1), comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (+3,4%), administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (+3,3%), agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+1,6%) e transporte, armazenagem e correio (+1,5%). Já os setores que registraram queda no número de ocupados foram: construção (-3,5%), outros serviços (-1,7%) e informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (-1,0%).

Rendimento

Em relação à massa de rendimentos mensal das pessoas ocupadas, houve um recuou de 0,5% no 3º trimestre de 2023, na comparação com o trimestre anterior, totalizando R$ 5,63 bilhões no Espírito Santo. Nessa mesma base de comparação, também se observou que o rendimento médio real dos trabalhadores recuou 2,4%, saindo de R$2.917,00 para R$2.847,00.

Para o Brasil, o rendimento médio real mensal habitual foi de R$ 2.982,00 no 3º trimestre do ano. Este resultado apresentou aumento tanto em relação ao trimestre imediatamente anterior (R$2.933,00) quanto em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$2.862,00).

Informalidade

A taxa de informalidade, que representa a parcela dos trabalhadores ocupados no setor informal em relação ao total da população ocupada, chegou a 38,7% no Espírito Santo, com aumento de 0,4 p.p em relação ao segundo trimestre. Apesar do aumento, a taxa de informalidade capixaba se manteve abaixo da média nacional (39,7%).

No Brasil, a taxa de informalidade ficou em 39,7% da população ocupada no terceiro trimestre de 2023. Entre as unidades da federação, as maiores taxas ficaram com Maranhão (57,3%), Pará (57,1%) e Amazonas (55,0%) e, as menores, com Santa Catarina (26,8%), Distrito Federal (30,6%) e São Paulo (31,3%).

                                          

¹Pessoas ocupadas que trabalhavam menos de 40 horas e estavam disponíveis e gostariam de trabalhar mais horas que as habituais.

²Pessoas que no período de 30 dias desistiu de procurar trabalho, mas gostaria de trabalhar ou que procurou trabalho, mas não poderia trabalhar devido a algum impedimento.

 

Sobre o(a) editor(a) e outras publicações de sua autoria

Yuri Pimentel Coelho

Graduado e Mestre em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua como Analista de Estudos e Pesquisas na Gerência de Inteligência de Dados e Pesquisas. Possui interesse na área de Finanças Públicas e análise de dados conjunturais.