ES registra criação de 5,8 mil postos formais em agosto de 2021

PUBLICADO EM 29 Set 2021

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho divulgou nesta quarta-feira (29/09/2021) as informações do Novo Caged referentes à movimentação do mercado de trabalho formal do mês de agosto de 2021.

Em agosto de 2021, o mercado de trabalho formal do Espírito Santo registrou saldo positivo de 5.824 postos formais, resultado da movimentação entre 36.738 admitidos e 30.914 desligados no mês. Este foi o oitavo mês consecutivo com ampliação de postos no ano. Com isso, o Espírito Santo acumulou a criação de 39.447 novas vagas formais em 2021.

Com as novas vagas geradas no mês, o Espírito Santo totalizou estoque de 780.950 vínculos formais de trabalho, o que representa crescimento de 0,75% em relação ao total de empregos registrados no mês de julho e de 5,32% na comparação com o total de postos formais do final de 2020.

O mercado de trabalho formal brasileiro registrou a abertura de 372.265 vagas com carteira assinada em agosto. No mês, foram registradas 1.810.434 admissões ante 1.438.169 desligamentos. Com o resultado positivo de agosto, o saldo de contratações no acumulado do ano ficou positivo em 2.203.987 postos. 

Análise setorial

Entre os cinco grandes setores de atividade econômica, apenas a agropecuária fechou postos formais em agosto no Espírito Santo, tendo encerrado 82 vagas. No mês, o setor de serviços puxou a abertura de vagas no estado (+2.500), seguido por comércio (+1.960), construção (+944) e indústria (+502).

No setor de serviços, as atividades com maiores números de novas contratações em agosto foram as de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (+811); de alojamento e alimentação (+545) e de Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (+532). Esta última com destaque para as novas vagas abertas na atividade de educação (+599).

O setor de comércio foi beneficiado pelas novas contratações no comércio varejista (+1.177), com destaque para a criação de vagas no comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (+305).

Na indústria geral, o resultado positivo foi influenciado, principalmente, pela abertura de 253 vagas na indústria da transformação, com destaque para abertura de postos nas atividades de fabricação de produtos minerais não-metálicos (+282) e de confecções de artigos do vestuários e acessórios (+162).

Para o Brasil, todos os grandes setores de atividade econômica apresentaram criação de postos formais no mês: serviços (+180.660), comércio (+77.769), indústria (+72.694), construção (+32.005) e agropecuária (+9.232).

Municípios do ES

Em agosto, 22 dos 25 municípios com mais de 30 mil habitantes no Espírito Santo registraram saldo positivo de postos formais. Serra foi o município com maior número de postos abertos (+1.213), seguido por Cariacica (+758) e Vitória (+690).

Em Serra, contribuíram para o saldo positivo a criação de postos formais no setor de serviços (+735), sobretudo os serviços para edifícios e atividades paisagísticas (+442). As atividades de serviços também apresentaram uma das maiores criações de vagas em Cariacica, com 762 novas contratações, principalmente nas atividades administrativas e serviços complementares (+471). Já em Vitória, a contribuição para o saldo positivo veio, principalmente, do comércio (+272), impulsionado pelo comércio varejista (+210), e da indústria geral (+201). A indústria de transformação contribuiu com 170 novas vagas formais em Vitória, com destaque para a abertura de 98 postos na atividade de manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos.

Acompanhe mês a mês no painel abaixo, de forma dinâmica e interativa, a quantidade de empregados admitidos e desligados, além do saldo de postos de emprego com carteira assinada para o Espírito Santo e municípios do ES.


Diferenças metodológicas entre o Caged e o Novo Caged

De 1992 a 2019 as informações sobre o mercado de trabalho formal foram registradas e divulgadas como fonte pelo Caged. A partir de janeiro de 2020, estas passaram a ter como fonte o Novo Caged.

O Novo Caged conta com as informações do eSocial. O eSocial foi instituído em pelo Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de 2014, com objetivo de concentrar em um único sistema diversas informações de empresas e trabalhadores, unificando registros fiscais, previdenciários e trabalhistas. Além do eSocial, o Novo Caged incorpora imputação de dados que vem do antigo Caged e do Web empregador, para complementar informação de desligamento. É, portanto, mais abrangente do que o Caged que só concentrava informações de admissões e desligamentos sob o regime CLT.

A captação de registros de admissões e desligamentos pelo Novo Caged passou a ter maior cobertura, dado que, além dos empregados sob o regime CLT, passou a cobrir os trabalhadores temporários, trabalhadores avulsos, agentes públicos, trabalhadores cedidos, dirigentes sindicais, contribuintes individuais e bolsistas. Estes não eram registrados no Caged ou a declaração era opcional, como a de vínculos temporários, o que para o Novo Caged passou a ser obrigatória. Com estas modificações, o volume das movimentações captadas pelo Novo Caged tende a ser maior. Estas diferenças de captação prejudicam a comparação da série ao longo do tempo, a qual deve ser realizada com as devidas ressalvas metodológicas.

 

Sobre o(a) editor(a) e outras publicações de sua autoria

Christian Kobunda

Economista graduado na (UFU) e mestre em Economia pela (UFES). Atua como Analista de Estudos e Pesquisas na Gerência do Observatório da Indústria. Possui interesse em modelagem de dados em séries temporais, estudos macroeconômicos, setoriais, econômicos e industriais.