Mesmo com redução de 1,4 mil postos formais em dezembro, ES encerrou 2020 com criação de 6,8 mil novos empregos com carteira assinada

PUBLICADO EM 28 Jan 2021

Após cinco meses consecutivos de ampliação do emprego, o mercado de trabalho formal capixaba contraiu em dezembro, registrando uma redução de 1.422 postos com carteira assinada. A redução de postos formais é típica para o mês de dezembro. Apesar desse recuo, o resultado de dezembro de 2020 foi melhor do que o de dezembro de 2019, quando 3,8 mil vagas foram fechadas no estado¹.

Mesmo com o resultado negativo de dezembro, o mercado formal capixaba encerrou 2020 com saldo positivo de 6.812 novas vagas de carteira assinada, ampliando em 0,93% o total de emprego formal registrado no início de janeiro de 2020.

É importante lembrar que, no ano, houve forte perda de emprego formal entre março e junho, meses em que vigoraram com maior intensidade as necessárias medidas de distanciamento social, relacionadas ao controle da pandemia da Covid-19, as quais impactaram o funcionamento das atividades econômicas. Contudo, a recuperação do emprego durante os meses de julho e novembro foi suficiente para a recomposição das perdas, com o estado encerrando o ano com saldo positivo. Em dezembro, o total de emprego formal registrado no Espírito Santo foi de 738.087.

Entre as unidades da federação, o Espírito Santo aparece na 12ª posição entre aquelas que mais abriram novas vagas em 2020 (+6.812). Na primeira posição está Santa Catarina (+53.050) e na última posição está o Rio de Janeiro, estado que mais perdeu emprego formal em 2020 (-127.155).

Para o Brasil o resultado de dezembro também foi negativo, com o país registrando o fechamento de 67.906 postos formais. Ainda assim, as vagas criadas de janeiro a dezembro foram suficientes para que o país encerrasse o ano de 2020 com saldo positivo de 142.690 empregos formais. Resultado que representou ampliação de 0,37% do total de emprego registrado no início de janeiro de 2020.

Análise setorial

No Espírito Santo, o saldo negativo de emprego formal de dezembro (-1.422) foi resultado do fechamento de vagas em praticamente todos os grandes setores da atividade econômica, com exceção do comércio que abriu 1.980 novos postos formais.

No mês, encerram postos os setores da indústria (-1.340), construção (-1.202), serviços (-757) e agropecuária (-103). Já a ampliação do emprego formal no comércio foi impulsionada pelo comércio varejista (+1.771), com destaque para as novas vagas abertas em hipermercados e supermercados (+776).

No resultado do acumulado do ano, o saldo positivo de emprego formal capixaba (+6.812) foi favorecido pelas vagas abertas nos setores de construção (+5.071), indústria (+4.089) e comércio (+1.722). Estes setores conseguiram recompor as perdas do ano, intensificadas pela pandemia, encerrando 2020 com saldo positivo de emprego.

O setor de construção ampliou em 11,31% o total de emprego registrado no início de janeiro, com destaque para as atividades de serviços especializados para construção, as quais abriram 3.495 vagas no ano. Já a indústria ampliou suas vagas em 3,17%. Nesse caso, o destaque foi a indústria de transformação que apresentou crescimento de 3,28% do emprego formal, ao abrir 3.612 vagas. O comércio, por sua vez, também recuperou as perdas de 2020 encerrando o ano com leve alta de 0,89% do emprego com carteira assinada.

Já os setores de serviços (-3.350) e agropecuária (-720) não recuperaram as perdas de postos ocorridas durante o ano, reduzindo em 1,01% e 2,30%, respectivamente, o total de emprego registrado no início de janeiro de 2020. Nos serviços, a atividade de alojamento e alimentação, que foi bastante impactada pelas medidas de contenção à pandemia, apresentou a maior perda de postos (-4.655).

Para o Brasil, dezembro registrou recuo do emprego celetista nos setores da construção (-43.032), indústria (-40.192), serviços (-23.749) e agropecuária (-22.970). Apenas o setor de comércio criou novas vagas no mês (+62.599).

No acumulado de janeiro a dezembro de 2020, ano marcado pelos impactos da pandemia, no país, apenas o setor de serviços não conseguiu recuperar os postos perdidos, fechando o ano com redução de 132.584 empregos formais. Os demais setores recuperam as perdas e fecharam 2020 com saldos positivos de postos formais. No ano, ampliaram postos os setores de construção (+112.174), indústria (+95.588), agropecuária (61.637) e comércio (+8.130).

Municípios do ES

Entre os 25 municípios do Espírito Santo com mais de 30 mil habitantes, 14 apresentaram saldo negativo de postos formais em dezembro. Os municípios que registraram os menores saldos foram Vitória (-1.700) e Aracruz (-757). Já os maiores saldos de postos formais no mês foram registrados em Vila Velha (+1.767) e Guarapari (+544).

Em Vitória houve redução de 1.836 vagas no setor de serviços, principalmente nos serviços de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (-1.920). Em Aracruz a redução foi mais intensa no setor de construção (-331). Já o resultado positivo de Vila Velha esteve relacionado, principalmente, à abertura de postos no setor de serviços (+1.660). Em Guarapari foi o setor de comércio que apresentou melhor desempenho ao abrir 448 novas vagas, favorecendo o saldo positivo do município.

No acumulado do ano, de janeiro a dezembro, entre os municípios com mais de 30 mil habitantes, os que mais abriram vagas de emprego formal foram Serra (+5.954), Aracruz (+1.814), Linhares (+1.660) e Vila Velha (+1.213). Em Serra, o bom resultado foi favorecido pelas novas vagas no setor de construção (+2.701). Em Aracruz e Linhares foi a indústria que impulsionou o resultado positivo ao abrir, respectivamente, 1.669 e 910 novos postos. Já em Vila Velha o destaque foi o setor de serviços que ampliou em 1.370 as vagas formais no ano.

Ainda considerando o acumulado do ano, onze dentre os municípios com mais de 30 mil habitantes encerraram 2020 com perda de postos celetistas. Os municípios com maior redução de vagas no ano foram Vitória (-3.550), São Mateus (-1.125) e Cariacica (-887).

Nestes municípios, o setor de serviços influenciou, em maior intensidade, a redução do emprego formal. Em Vitória, foram os serviços de alojamento e alimentação os que mais reduziram vagas (-1.190). Já em São Mateus e Cariacica a redução foi mais intensa nos serviços de transporte, armazenagem e correio, que fecharam no ano 571 e 643 vagas, respectivamente.

Acompanhe mês a mês, de forma dinâmica e interativa, a quantidade de empregados admitidos e desligados, além do saldo de postos de emprego com carteira assinada para o Espírito Santo e municípios do ES.

(1) Anos anteriores a 2020 são resultados do Caged e de 2020 em diante do Novo Caged. Houve mudança metodológica na coleta do Caged para o Novo Caged, informações adicionais podem ser consultadas em http://pdet.mte.gov.br/images/Novo_CAGED/Nota%20t%C3%A9cnica%20substitui%C3%A7%C3%A3o%20CAGED_26_05.pdf

Sobre o(a) editor(a) e outras publicações de sua autoria

Suiani Febroni

Economista graduada na UFES e mestre em Desenvolvimento Econômico pela Unicamp. Atua como Analista de Estudos e Pesquisas na Gerência do Observatório da Indústria. Pesquisa temas relacionados à atividade econômica, mercado de trabalho e educação.