No acumulado do ano até setembro, produção capixaba avança 7,6% e mantém o 2º maior crescimento entre os estados

PUBLICADO EM 08 Nov 2023

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou em novembro, a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) Regional referente a setembro de 2023. A produção física da indústria capixaba apresentou crescimento de 7,6% entre janeiro e setembro de 2023, quando comparada com o mesmo período de 2022. A produção industrial do Espírito Santo se manteve como a 2ª maior entre os estados brasileiros pesquisados, atrás apenas do Rio Grande do Norte (17,1%). Esses estados foram os que mais se destacaram em relação à média nacional (-0,2%).

                                                                        

O desempenho positivo do setor industrial capixaba no ano foi puxado pelo crescimento de 17,3% da indústria extrativa que, por sua vez, foi influenciado pela maior produção de pelotas de minério de ferro e pela extração de petróleo e gás natural (P&G).

A atividade de pelotização avançou no período devido aos aumentos de produção das duas empresas atuantes no estado. A produção de pelotas de minério de ferro pela Vale S.A. totalizou 13,7 milhões de toneladas até setembro de 2023, patamar 23,9% superior ao registrado no mesmo período de 2022. Já a Samarco, na parte que compete à anglo-australiana BHP Billiton Limited & Plc (BHP), apresentou uma produção acumulada de 3,5 milhões de toneladas até setembro de 2023, registrando aumento de 11,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

No que diz respeito ao setor de P&G no estado, os dados da ANP, mostraram que a produção de petróleo chegou a 46,7 milhões de barris no acumulado do ano até setembro de 2023, expansão de 20,4% em relação ao mesmo período de 2022, e a de gás natural totalizou 1,15 bilhões de m³, crescimento de 21,1% na mesma base de comparação. Entre as explicações para o avanço do setor de P&G no estado estão: o aumento da extração no Campo Jubarte, a retomada do FPSO Cidade de Anchieta, a retomada da produção no Campo Golfinho e a recuperação da produção em ambiente onshore com a diversificação de petroleiras independentes.

Por sua vez, a indústria de transformação recuou 6,9% no estado no acumulado do ano até setembro. Esse resultado é explicado pelas quedas em todas as 4 atividades pesquisadas pelo IBGE, com destaques para os recuos de 16,2% na fabricação de produtos de minerais não metálicos e de 5,9% na metalurgia. Essas duas atividades somadas representam 66,6% da indústria de transformação capixaba.

Na passagem de agosto para setembro, na série com ajustes sazonais, a produção do setor recuou 4,8%. Nas demais bases de comparação, o setor extrativo seguiu sendo o responsável pelos avanços da produção capixaba. Na comparação entre setembro de 2023 e setembro de 2022, a produção física da indústria do Espírito Santo cresceu 14,2%, puxada pela expansão de 21,4% da indústria extrativa e pelo avanço de 2,2% da indústria de transformação. Já no acumulado em 12 meses até setembro de 2023, a indústria capixaba avançou 1,2%, influenciada pelo avanço de 4,7% da indústria extrativa, contrapondo a queda de 9,3% da indústria de transformação.

Os dados da PIM-PF referentes a setembro de 2023 revelaram que o desempenho positivo do setor industrial capixaba foi liderado pela indústria extrativa, enquanto a indústria de transformação seguiu enfrentando desafios para se recuperar. Entre os desafios estão o elevado patamar da taxa de juros brasileira (taxa Selic) e o prolongamento do aperto monetário realizado pelas principais economias globais, além da queda acumulada nos preços das commodities industriais, que repercutem sobre as exportações do setor.

Clique aqui e confira na íntegra a nota conjuntural sobre a PIM-PF do Espírito Santo.

 

Nota: A Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF Regional) referente a julho foi divulgada na quarta-feira, 8 de novembro de 2023, pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE). Para o Espírito Santo é feito o levantamento de 29 produtos, o que gera uma cobertura de 79% da indústria geral do estado, segundo a metodologia adotada pela pesquisa.

 

 

Sobre o(a) editor(a) e outras publicações de sua autoria

Yuri Pimentel Coelho

Graduado e Mestre em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua como Analista de Estudos e Pesquisas na Gerência de Inteligência de Dados e Pesquisas. Possui interesse na área de Finanças Públicas e análise de dados conjunturais.